Gerente de mercado escrevendo em um bloco de notas

Cadeia de suprimentos sustentável: sim, é possível!

Onde está a responsabilidade das empresas quando falamos em sustentabilidade? Nos processos internos de operação, em atitudes pontuais de economia de energia e água e educação ambiental? Também, claro. Tudo isso é importante e ajuda a resolver uma parte do problema com o qual nos deparamos.

Confira o infográfico e saiba mais sobre a cadeia de suprimentos.

Mas o dever da empresa está também no antes e depois do processo produtivo. O que isso significa? Queremos dizer que a sustentabilidade precisa acompanhar o negócio desde a coleta da matéria-prima, passando pela produção e chegando na entrega dos produtos para o consumidor.

Para sermos mais claros, estamos falando de uma cadeia de suprimentos sustentável, que garante consciência ambiental em todos os processos, fluxos e no ciclo de vida dos produtos. E isso inclui a redução de desperdícios, exploração controlada de recursos, processos sustentáveis e outras práticas que levem em consideração os impactos causados no meio ambiente.

A sustentabilidade na lógica do supply chain

Uma cadeia de suprimentos sustentável também inclui processos que eliminam e reduzem impactos na natureza. Nesse sentido, o principal ponto é justamente a lógica do supply chain.

Quando a cadeia se pauta apenas pela venda interna entre os elos, temos um problema que, invariavelmente, chega ao meio ambiente. Explicamos. Imagine o fluxo: a indústria fabrica seus produtos e precisa vendê-los. Para isso, negocia com distribuidores e diretamente com alguns varejos. Esses dois elos, por sua vez, compram em grandes lotes para evitarem a falta de mercadorias e também para conseguirem descontos e melhores condições de frete.

Dentro dessa lógica, os produtos chegam nos pontos de venda e muitos deles não saem ou ficam com um resultado abaixo do satisfatório, pois estavam apenas alinhados internamente e não com a real demanda do consumidor final e seus interesses.

Lá no começo do processo, a indústria continua produzindo apenas pensando no que vendeu para seus elos da cadeia. Como consequência, o varejo e os distribuidores, saturados, podem parar de comprar. Daí surgem quatro grandes impactos para o meio ambiente.

  1. Desperdício: sem a saída esperada, os produtos acabam encalhando no estoque, gerando um grande desperdício. Isso é ainda mais grave quando pensamos no setor alimentício, em que os itens possuem prazo de validade e estragam em determinado momento. Além da perda de comida, muitos materiais de embalagem vão para o lixo.
  2. Mal aproveitamento de recursos: quando continuam produzindo pensando na venda para os elos seguintes, muitos recursos são mal aproveitados, quando poderiam ser remanejados.
  3. Descarte: esses produtos descartados produzirão também um imenso volume gases de CO2 na sua decomposição.
  4. Transporte: essas vendas geram uma demanda logística que não é bem aproveitada, trazendo junto mais emissão de CO2 e trânsito ainda mais caótico.

Na Neogrid, nós acreditamos que a cadeia de suprimentos deve ser alinhada pelo ritmo do consumo, seguindo a demanda do consumidor final. É esse importante ator do processo que dispara o gatilho para o fluxo do supply chain. Enquanto ele não compra, ninguém vende.

Por isso, oferecemos soluções de visibilidade que permitem aos elos da cadeia uma visão sobre números diários de estoque e vendas ao consumidor final.

Nessa lógica, indústria, varejos e distribuidores negociam os produtos pensando na demanda do consumidor, no que ele realmente está comprando. Portanto, em vez de enviar um grande lote de um único produto, envia uma carga variada e formada por itens que farão mais sentido em determinados contextos.

Além disso, a indústria consegue planejar sua produção de forma mais assertiva e otimizada, fabricando os itens adequados, na quantidade e no tempo certos.

Assim, as empresas evitam todo os problemas que citamos anteriormente. Reduzem consideravelmente o desperdício, otimizam o processo logístico e podem melhorar o aproveitamento dos recursos.

A sustentabilidade nos processos de supply chain

Em meio a esse processo, existem atividades que também geram impacto no meio ambiente. Basta pensarmos, por exemplo, em quantos documentos são emitidos diariamente pelas empresas e que precisam ir de um elo ao outro, como pedidos e boletos de cobranças.

Acreditando na sustentabilidade ambiental e econômica, desenvolvemos soluções que minimizam esse impacto. Somente o EDI, que faz o tráfego de dados entre as empresas, evitou a emissão de 664,9 milhões de documentos impressos em cinco anos, poupando, assim, o corte de milhares de árvores.

Outro impacto que reduzimos está no processo de entrega dos produtos. As filas de caminhões nas docas podem gerar dias de espera e toneladas de produtos estragados. A solução Agendamento de Docas automatiza esse trabalho, permitindo que o varejo organize melhor as entregas.

A relação entre clientes e fornecedores

Pense em um refrigerador. A eficiência energética desse produto evoluiu da querosene ao uso muito mais econômico da eletricidade, com os refrigeradores com selo A de eficiência emitido pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Bom, na parte da engenharia, as empresas resolvem um problema criando um produto que consome pouca energia. Mas e o restante? A Whirlpool, multinacional fabricante de linha branca e dona das marcas Consul e Brastemp, é um exemplo de companhia que administra sua cadeia de suprimentos. Ela faz isso por meio do Código Global de Conduta do Fornecedor.

Com o documento, são estabelecidos princípios que os fornecedores precisam seguir para continuar fazendo negócio com a Whirlpool. Para garantir o cumprimento, a empresa realiza auditorias anuais. Em 2017, foram 177 ao redor do mundo. Onde há não conformidades, a companhia atua com ações corretivas e tenta ajustar a situação dos parceiros de negócio.

Outro exemplo de empresa que administra os aspectos ambientais da sua cadeia de suprimentos é a Samsung, gigante mundial do segmento de eletrônicos. A empresa criou a Certificação de Parceiro Ecológico. O programa avalia a conformidade dos fornecedores em relação a padrões de controle de substâncias usadas em produtos e pelo sistema de gestão de qualidade ambiental.

A Samsung também realiza auditorias e avaliações periódicas para verificar se os fornecedores mantiveram os padrões. Quem tiver os melhores resultados terá mais oportunidades de negócios e benefícios na relação com a companhia.

No fim das contas, a sustentabilidade favorece o meio ambiente e a sociedade. Recursos bem aproveitados, natureza preservada e processos adequados geram qualidade de vida, emprego e renda.

Quer continuar lendo sobre a cadeia de suprimentos? Confira o infográfico completo e entenda todos os processos. 

Autor
Somos especialistas em sincronizar sua empresa à demanda. Em manter seu produto sempre disponível para o consumidor, na quantidade adequada e na hora certa. Nós somos a Neogrid. Uma empresa de soluções para a gestão automática da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management).
Compartilhar
Comente este artigo