Cartão de débito e crédito: faça a gestão adequada das vendas e evite surpresas no orçamento

“Débito ou crédito?” é uma das perguntas mais ouvidas hoje em dia nos guichês de pagamento de pontos de venda em todo o país. Também, pudera: de acordo com a pesquisa “O Consumidor e as Formas de Pagamento no Brasil – oportunidades para o mercado de cartões”, realizada pela Nielsen no primeiro semestre de 2015, 3 milhões de novos lares passaram a utilizar cartões de débito no Brasil, e de crédito, 2,5 milhões.

O uso de cartões de débito e de crédito já representa 23,7% do valor total gasto com compras de alimentos, bebidas, produtos de limpeza e higiene em todo o país. O atual cenário de desaceleração econômica e desvalorização da moeda brasileira são dois motivos que contribuíram bastante para esse crescimento, segundo o levantamento.

Porém, ao mesmo tempo em que o pagamento por meio de cartões eletrônicos tem facilitado – e muito! – a vida dos consumidores, de que formas seu estabelecimento está lidando com as vantagens e principalmente com os riscos trazidos por essa nova realidade?

As perdas decorrentes de transações com cartões eletrônicos, seja por cancelamentos, vendas não confirmadas pelas operadoras ou um dia de venda não processado por determinada loja de uma rede podem comprometer os rendimentos da empresa varejista. Isso pode fazer com que as vendas por cartões se tornem uma verdadeira fonte de prejuízo – quando poderiam ser vantajosas para os dois lados.

Para controlar esse processo é preciso realizar conferências diariamente. No entanto, você, gestor da área financeira, sabe muito bem que conferir valores de vendas efetuadas com os de pagamentos recebidos e créditos em conta corrente não é uma tarefa tão simples e rápida assim. A saída seria, então, automatizar sua gestão de vendas por cartões.

Utilizar uma solução tecnológica ou um serviço para fazer esse gerenciamento permite que a empresa realize conciliação e consolidação de vendas e acesse todas as informações relevantes das transações com cartão em um único local, tais como confirmações de recebimentos, faturamento, fluxo de recebíveis e vendas por bandeira e operadora, eliminando o trabalho operacional na hora de verificar valores.

Imagine que você é gerente de um estabelecimento que pertence a uma rede de lojas de chocolates e todos os meses é realizada uma reunião na qual são apresentados os índices de faturamento de vendas por cartão. Na hora de montar seu relatório você, é claro, reserva pelo menos um dia inteiro para isso, e não há chocolate que torne a tarefa menos amarga. Sem contar que você poderia estar usando esse tempo para atividades bem mais estratégicas e rentáveis, como o desenvolvimento de ações segmentadas para o relacionamento com o público e clientes, por exemplo.

Ou imagine ainda que seja preciso fazer uma pequena reforma na loja e é necessário verificar o quanto de dinheiro por vendas com cartão de crédito a unidade vai receber em determinado mês. Se a loja utilizasse uma solução ou um serviço de gestão de vendas por cartões, o gerente poderia descobrir as informações em poucos cliques e segundos, montar o relatório em muito menos tempo e apoiar o planejamento da reforma com tranquilidade, evitando surpresas no orçamento.

Aderindo a uma solução ou um serviço de gestão de vendas por cartões integrados a uma suíte financeira, o varejo pode tornar o gerenciamento ainda mais amplo por meio da integração com outros módulos financeiros igualmente importantes, como consolidação de extratos, emissão de boletos e aprovação de pagamentos. Continue acompanhando o blog para saber mais!

Conheça a solução Gestão de Vendas Por Cartões da NeoGrid ou entre em contato para mais informações.

Autor

A NeoGrid é uma empresa brasileira de soluções para a gestão de Supply Chain com clientes em mais de 30 países e escritórios na América Latina, América do Norte, Europa e Ásia. Em plataforma exclusiva e completa, as soluções NeoGrid sincronizam a cadeia de suprimentos, trazendo como resultado a redução de rupturas (faltas) e, ao mesmo tempo, a redução de estoques.

Compartilhar

Comente este artigo