Como a tecnologia facilita o balanceamento de estoques

Muitas empresas varejistas e atacadistas já utilizam a estratégia de DRP – Distribution Requirements Planning para garantir o equilíbrio entre consumo e demanda nos seus pontos de venda. Porém, na maior parte das vezes, esse processo é feito ainda de forma manual e desconectada das demais informações que o influenciam diretamente (como histórico de compra, média de vendas em cada ponto e estoque de segurança, por exemplo), o que acaba não proporcionando ao negócio todos os benefícios que essa importante ferramenta de gestão de estoques é capaz de gerar.

É por isso que, contar com uma solução tecnológica de DRP – Planejamento de Distribuição integrada ao seu ERP (sistema de gestão integrado), é essencial para automatizar procedimentos e ajudar sua empresa a tomar as melhores decisões quando o assunto for a distribuição adequada de mercadorias entre seus pontos de venda. Confira nos tópicos abaixo o que uma gestão de DRP pautada em tecnologia é capaz de proporcionar:

#1 Sugestões de reposição e compra 

O usuário não precisa entender de estatística, já que a tecnologia de DRP sugere automaticamente a quantidade de reposição para cada item comercializado pela loja e até recomenda a compra de novos produtos. Isso acontece porque usa como base os parâmetros como histórico de compra, previsão de vendas em cada ponto, estoque de segurança e tempo de entrega do centro de distribuição (CD), obtidos a partir da integração da solução com o ERP utilizado pela rede varejista.

Também são considerados nesse cálculo a sazonalidade, as tendências de consumo e eventos “fora da curva” como promoções, ações da concorrência e pesquisas de mercado. Isso quer dizer que variáveis internas e externas podem ser informadas ao sistema com o objetivo de torná-lo ainda mais aderente às necessidades da empresa.

#2 Alertas de pedidos de compra 

Cada empresa tem seu próprio jeito de fazer a reposição de estoques. Imagine isso para pacotes de macarrão de uma determinada marca, por exemplo: alguns supermercados ficam monitorando e, quando percebem que vai faltar, disparam um pedido de transferência ou compra para outras lojas da rede ou fornecedores; outras só pedem quando já acabou – o problema é que nesse tempo entre a solicitação e a chegada do pedido o produto já foi procurado algumas vezes, e é aí que a ruptura acontece; e em casos ainda piores a empresa nem se dá conta da falta do produto, e fica sabendo apenas pelo fornecedor ou, pior ainda, pela reclamação de algum cliente.

Com uma solução de DRP – Distribution Requirements Planning o usuário não precisa se preocupar em ficar acompanhando os níveis de estoque para saber o momento certo de fazer os pedidos e não perder vendas, pois ela pode montar gráficos de monitoramento com base em índices de vendas e no tempo que a loja leva para receber a reposição após o pedido, permitindo visualizar o nível ideal, de atenção e crítico do estoque de cada item.

Um estudo realizado pela Nielsen, empresa de pesquisa especializada em análises do comportamento do consumidor, mostrou qual é a reação do cliente quando não encontra o produto que deseja no ponto de venda. No caso de bebidas alcoólicas, como cervejas, por exemplo, a venda é perdida em 67% das vezes, e em 33% delas o consumidor muda de marca. Mas com eletroeletrônicos o cenário fica mais desfavorável: 87% não compram nada e apenas 13% optam por outra marca – afinal, alguém que decidiu investir em um iPhone, por exemplo, dificilmente vai mudar de ideia porque entrou em uma loja que estava com o produto em falta, e sim vai procurar em outro estabelecimento.

#3 Visão geral de lojas e fornecedores

Se um pequeno ponto de venda que comercializa cerca de 800 itens diferentes já exige a montagem de uma estratégia de reposição para não faltar nem sobrar produtos demais, como fica a situação de uma grande rede de varejo supermercadista, que possui 560 lojas no Brasil e mais de 250 mil fornecedores? E a de perfumes e cosméticos, com nada menos que 4 mil pontos de venda espalhados pelo país?

Um ponto importante para garantir que não haja falta ou excesso de mercadorias é ter a visão geral do estoque de todas as lojas. Uma tecnologia de DRP proporciona isso para, no momento em que for sugerir as quantidades de reposição, possa indicar também de onde esses itens podem ser transferidos sem gerar desfalques – se ele identificar que em determinada loja de uma rede de eletroeletrônicos o fone de ouvido da marca X sai menos e está com o nível de estoque alto, boa parte dessa quantidade parada poderá ser enviada a outra loja onde esse produto tem melhor aceitação quando for necessário. Já quando a alternativa for solicitar as mercadorias aos fornecedores, a solução faz a sugestão considerando fatores como quantidade disponível no CD, localização, tempo que leva para fazer as entregas e até mesmo preço.

Vale a pena citar aqui que o DRP – Planejamento de Distribuição pode ser aplicado independentemente do porte da empresa, pois o conflito será sempre o mesmo: como controlar o estoque de todos esses produtos no ponto de venda para que haja um equilíbrio entre faltas e excessos com base no consumo real?

Continue acompanhando a série sobre DRP aqui no blog para conhecer, no próximo post, a tecnologia certa para ajudá-lo nessa tarefa tão complexa e, ao mesmo tempo, tão importante para o seu negócio!

Autor

A NeoGrid é uma empresa brasileira de soluções para a gestão de Supply Chain com clientes em mais de 30 países e escritórios na América Latina, América do Norte, Europa e Ásia. Em plataforma exclusiva e completa, as soluções NeoGrid sincronizam a cadeia de suprimentos, trazendo como resultado a redução de rupturas (faltas) e, ao mesmo tempo, a redução de estoques.

Compartilhar

Comente este artigo