Como reduzir os itens sem venda do varejo?

O setor de varejo tem como uma das principais metas reduzir o número de itens sem venda. Um dos motivos é que uma mercadoria que fica muito tempo sem ser comercializada é sinônimo de gastos excessivos e prejuízos.

O acompanhamento constante da movimentação dos produtos é uma das formas de combater esse problema. Para isso, é essencial que o controle do estoque seja feito corretamente para haver uma análise precisa da demanda.

Neste post, mostraremos como detectar que um item não está sendo vendido dentro do prazo ideal e adotar ações para que essa mercadoria possa ser comprada pelo consumidor o mais rápido possível. Confira!

Veja como identificar os itens sem venda

Existem diversos motivos que baixam ou zeram a venda de um item, desde questões internas, como a não aceitação do público, como uma oferta da concorrência e o preço, até problemas internos, como o não recebimento da mercadoria ou equívocos no cadastro e na reposição da gôndola.

Se não houver um controle de estoque eficiente, o risco de haver mercadorias encalhadas será muito elevado. Na conjuntura atual, nenhum empreendedor quer passar por esse problema, pois prejudica o faturamento e atrapalha a obtenção de recursos para novos investimentos.

Aqui, a tecnologia pode ajudar a empresa. Uma solução de visibilidade, que ofereça dados estruturados de vendas e estoque, pode ajudar. Por meio das informações compiladas diariamente, a loja identifica os itens que não estão vendendo e algumas causas. Ferramentas assim podem monitorar concorrentes e ver motivos para a indisponibilidade dos produtos.

Adote alternativas para reduzir os itens sem venda

À medida que o fluxo das mercadorias é feito seguindo as melhores práticas do mercado, uma empresa tem um bom controle de estoque e condições de oferecer itens na quantidade adequada por um preço justo.

Para ajudá-lo a aumentar a sustentabilidade do seu negócio, apresentaremos iniciativas que estimulam a venda de itens. Acompanhe!

Fazer uma análise dos produtos

Um acompanhamento eficaz do estoque exige bastante organização. Por isso, separe os produtos considerando algumas características, como:

  • data de validade;
  • espaço ocupado;
  • preço;
  • quantidade.

Essas informações devidamente agrupadas vão ajudá-lo a ter uma noção de aspectos dos itens sem venda e avaliar estratégias para que eles sejam adquiridos pelo o público-alvo a curto prazo.

Um gestor deve pensar em ações práticas para que os produtos não fiquem encalhados, gerando custos desnecessários e prejuízos para o negócio. Uma análise detalhada das mercadorias é uma forma inteligente de evitar essa situação.

Optar pelas promoções

Depois de uma avaliação do contexto das mercadorias na sua empresa, é válido apostar nas promoções. Independentemente da conjuntura econômica, os clientes querem adquirir produtos por um preço mais baixo, o que ajuda a gerenciar melhor as finanças da família.

Ou seja, um empresário pode, com essa iniciativa, obter algum lucro com um item pouco procurado e chamar a atenção dos consumidores. As promoções têm um forte apelo para atrair os clientes, o que jamais pode ser ignorado.

Incentivar a equipe

Os colaboradores gostam de incentivos para produzir mais. Esse aspecto é muito importante e precisa ser levado em consideração na hora de buscar maneiras de reduzir os itens sem venda. Dependendo da situação financeira do seu negócio, ofereça uma comissão maior aos que conseguirem aumentar a saída de mercadorias com baixa procura.

Além de dinheiro, é possível conceder outros benefícios, como cursos, diária em hotéis, cupom de desconto em restaurantes, produtos eletrônicos etc. Manter a equipe motivada é fundamental para todos serem produtivos e ajudarem a elevar o faturamento.  

Apostar no programa de fidelidade

O consumidor deve ser o foco de qualquer negócio. Em outras palavras, as empresas precisam contar com alternativas para fazer com que o público-alvo invista mais nos produtos e serviços. Uma boa forma de atingir isso e de se livrar de itens sem venda é por meio do programa de fidelidade.

Nesse caso, as mercadorias menos procuradas podem ter uma pontuação acima da média no programa. Assim, os clientes podem ter um maior interesse em adquiri-las, o que propicia investir em outros produtos que são mais procurados.

Investir em um sistema DRP

A tecnologia tem sido um fator muito relevante para as organizações conseguirem resultados mais expressivos. No setor de varejo, essa tendência também aparece de forma muito expressiva. Um bom exemplo é a adoção do DRP – Distribution Requirements Planning, também intitulado como Planejamento de Distribuição.

Esse sistema tem como objetivo distribuir os itens armazenados no Centro de Distribuição (CD) da rede varejista e da atacadista para os locais de venda.  Essa iniciativa obtém um bom desempenho, porque a ferramenta oferece dados sobre o momento e a quantidade que cada produto deve ser enviado a uma loja, considerando alguns fatores, como:

  • média de vendas em cada unidade;
  • frequência de reposição;
  • nível do estoque de segurança de cada produto;
  • tempo gasto pelo CD para entregar os itens;
  • média de vendas em cada loja.

O DRP analisa o nível de estoque das mercadorias na unidade e faz um cálculo para sugerir quando deve ser feita a reposição. Esse trabalho é muito importante para os produtos serem vendidos de acordo com a demanda, o que ajuda o empresário a faz investimentos mais seguros e corretos.

Com o apoio da Neogrid, um empreendedor pode adotar medidas inteligentes para minimizar a presença de itens sem venda em uma empresa e atrair um maior número de clientes com produtos de alta qualidade.

Se você tem dúvidas sobre como gerenciar o estoque e aumentar o faturamento, entre em contato conosco agora mesmo. Estamos à disposição para o seu negócio ser mais lucrativo!

Autor
Somos especialistas em sincronizar sua empresa à demanda. Em manter seu produto sempre disponível para o consumidor, na quantidade adequada e na hora certa. Nós somos a Neogrid. Uma empresa de soluções para a gestão automática da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management).
Compartilhar
Comente este artigo