Como vencer o desafio de repor estoques nos pontos de venda?

A missão de desenvolver um produto e trabalhar sua imagem visando maior atratividade para o consumo pode não adiantar se o item não chegar ao consumidor na hora certa. Descobrir “quando”, “quanto” e “onde” realizar a reposição de estoques se tornou uma grande sacada no processo de ressuprimento da indústria.

Mas para colocar essa teoria em prática de forma assertiva, é preciso ter informações de sell-out, ou seja, da demanda do consumidor final – o que, em grande escala, só é possível com o auxílio da tecnologia.

Por isso, uma solução especializada no ressuprimento de estoques pode ajudar a superar os problemas da má reposição de estoques. Saiba como:

#1 Fim da ruptura nos pontos de venda

O fato de a informação da necessidade de mais produtos nas prateleiras chegar tarde, compromete toda a distribuição e o processo de venda indireta. Assim, quanto maior for a demora, mais ruptura (falta de produto) será observada nas gôndolas.

Justamente por não ser direto, o caminho entre indústrias, centros de distribuição e varejo pode se tornar ainda mais longo e cheio de desvios inesperados. Com um software adequado você tem acesso a relatórios de sell-out que orientam a indústria em tempo quase real. Assim, é possível conhecer o comportamento do consumo dia a dia, local a local e item por item para evitar que o produto falte na prateleira.

#2 Não comprometer o fluxo de caixa

O efeito chicote na cadeia de suprimentos (link para ID 184) causa um estrago enorme na indústria, porque gera atraso da informação e imprecisão em relação aos investimentos. A demora em conhecer dados estratégicos pode ser responsável pelo congelamento do fluxo de caixa das empresas. Isso porque planejar estoques é uma estratégia diretamente ligada ao capital de giro.

Nenhuma indústria deseja investir dinheiro em matérias-primas, em mão de obra e em custos com infraestrutura para ver produtos encalhados em seus armazéns. Ter a estratégia de ressuprimento de estoques mais adequada para as sazonalidades do mercado é um diferencial para evitar esse problema.

#3 Surfar nas flutuações de demanda

Contar com a tecnologia significa, quase que literalmente, surfar a onda perfeita. É como se, diante das mudanças e flutuações do mercado, a indústria estivesse sempre preparada para suportar as variações de demanda. Não afundar na falta ou no excesso de estoque depende de uma descoberta diária sobre o comportamento do consumo.

Uma plataforma robusta de tecnologia, integrada à malha varejista, é o que toda empresa precisa para acompanhar as mudanças em tempo real.

#4 Acertos nas previsões

Previsões e imprecisões são duas palavras que não combinam e pode levar ao fracasso da reposição de estoques. A informação deve estar ao alcance da empresa para que problemas como esse não façam parte do dia a dia.

O algoritmo certo leva às previsões certas. Por isso, quando pensar em uma solução tecnológica para resolver a distribuição indireta de produtos, avalie o quão abrangente e eficiente é a ferramenta.

#5 Simplificação dos processos de distribuição

Simplificar o processo para acabar com a possibilidade da desistência do consumidor diante da gôndola é um dos resultados que a indústria alcança com a tecnologia.

Não busque dados fragmentados e coletados manualmente. Sinta a segurança ao adotar uma solução que padroniza e automatiza todo o processo de coleta de dados, encurtando o tempo que as decisões levam para ser tomadas e a distância entre indústria e varejo.

Entre em contato com a NeoGrid e conheça nossas soluções de Planejamento e Reposição de estoques.

Autor

Somos especialistas em sincronizar sua empresa à demanda. Em manter seu produto sempre disponível para o consumidor, na quantidade adequada e na hora certa. Nós somos a Neogrid. Uma empresa de soluções para a gestão automática da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management).

Compartilhar

Comente este artigo