Conflito de Interesses – Produção x Distribuição

No passado, os sistemas de produção e distribuição eram organizados segundo funções separadas que se reportavam a diferentes departamentos de uma empresa. Muitas vezes, políticas e práticas dos diferentes departamentos maximizavam os objetivos departamentais sem considerar o efeito que poderiam ter outras partes do sistema. Pelo fato de os dois sistemas serem inter-relacionados, ocorria conflitos frequentes. Enquanto cada sistema tomava decisões que eram as melhores para si, os objetivos gerais da empresa eram prejudicados.

Para obter o máximo lucro, uma empresa deve ter pelo menos quatro objetivos principais:

  1. Prover o melhor serviço ao cliente.
  2. Prover os mais baixos custos de produção.
  3. Prover o menor investimento em estoques.
  4. Prover os menores custos de distribuição.

Esses objetivos criam conflitos entre as áreas de produção e distribuição, porque cada uma delas possui responsabilidades diferentes nessas áreas.

Distribuição em conjunto com as áreas de marketing e finanças deve manter alta disponibilidade, investimentos e custos baixos.

Produção deve manter seus custos operacionais tão baixos quanto for possível.

É possível exemplificar o que destacamos acima com um conceito simples de lotes de produção, distribuição e consumo.

A produção visa grandes lotes e de poucos produtos, a distribuição visa lotes intermediários e despreocupados em relação ao mix, já o consumo na maioria dos casos é feito por unidade.

É fato que para atingirmos a excelência em lucratividade deveríamos aproximar a Distribuição e a Produção ao modelo por unidade. Em um primeiro momento isso parece loucura, mais provavelmente será o futuro.

Como então trabalhar para aproximar os processos de Distribuição e Produção ao modelo por unidade?

  • Implantar um sistema de balanceamento de estoque e reposição considerando o maior número de níveis de malha possíveis. (DRP – Distribution Requirements Planning).
  • Trabalhar na redução dos Lead Times.
  • Trabalhar na redução dos Lotes de Reposição.

Conceitualmente o que estamos falando, devemos balancear os objetivos conflitantes para minimizar o total dos custos envolvidos e maximizar o serviço ao cliente consistentemente com os objetivos da organização.

Fonte (Arnold, Tony – Administração de Materiais)

Autor

Camilo Manfredi (camilo.manfredi@neogrid.com) é graduado em Engenharia de Produção Elétrica pela FEI - São Bernardo do Campo – São Paulo, pós-graduado em Administração pela FGV – São Paulo e master em Liderança e Gestão de Pessoas pela FGV – São Paulo. Atuou em diferentes projetos de transformação da cadeia de suprimentos em todo o Brasil, apoiando também as operações dos EUA, Europa e Japão. Autor do livro Clientes & Empresas – Como Cães & Gatos. Atualmente é Diretor de Operações - Planning & Replenishment na NeoGrid.

Compartilhar

Comente este artigo