Entenda a diferença entre ruptura e indisponibilidade

Assim como o excesso de estoques, a falta de produtos nos pontos de venda pode gerar grandes transtornos, tanto para a indústria como para o varejo. Para evitar perdas financeiras – e também a perda de fidelidade do consumidor -, é importante estar sempre atento a indicadores de supply chain que apontem a porcentagem de falta de produtos, como a ruptura e a indisponibilidade em gôndola. Mas qual a diferença entre elas? Vamos lá!

A ruptura já é uma velha conhecida e muito utilizada para controle de estoques. Ela indica a porcentagem de produtos em falta em relação ao total de itens de uma loja, considerando o catálogo total de produtos. Por exemplo: se um varejo vende 10 marcas de água mineral de 500 ml e uma delas está sem estoque, a ruptura desse produto é de 10%. Calculado com base no mix de cada loja, o indicador não considera o histórico de vendas e é independente da demanda.

Já a indisponibilidade aponta o percentual de falta de produtos nas prateleiras com base na demanda do consumidor, de acordo com o histórico de itens comercializados. Um exemplo: Se a expectativa de vendas de sabão em pó da marca X, de 1kg, para setembro era de 10 unidades, mas apenas 8 foram vendidas, 20% é a ruptura ponderada pela demanda. Na prática, significa que as vendas desse item foram impactadas em 20% devido a sua falta nas prateleiras em comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Uma evolução da ruptura, a indisponibilidade considera que houve uma tentativa de compra, mas que a venda não foi efetivada porque o produto não estava na gôndola no momento da compra. Além disso, mostra os motivos das faltas, que podem estar relacionados à execução de loja e à falha logística. Entenda cada um deles:

Execução de loja: mostra que as falhas ocorreram no próprio ponto de venda, mais especificamente por dois fatores:  gôndola desabastecida (o produto estava disponível no estoque físico da loja, mas a prateleira não foi reabastecida) e estoque virtual.

Falha Logística: Indica que os produtos não estavam disponíveis no varejo ou porque o varejo não colocou o pedido para o fornecedor ou por falha na entrega.

No quadro abaixo, veja as principais diferenças entre os indicadores:

RUPTURA INDISPONIBILIDADE
Calculada em função do catálogo total de produtos do varejo Calculada em função das vendas do varejo
Não considera histórico de vendas  (demanda do consumidor) Considera histórico de vendas (demanda do consumidor)
Não aponta as causas das faltas nas prateleiras Aponta as causas das faltas nas prateleiras

Quer saber como evitar a ruptura e a indisponibilidade nos pontos de venda? Entre em contato com a NeoGrid e conheça nossa solução de Visibilidade do Varejo – RI.

 

Autor

Somos especialistas em sincronizar sua empresa à demanda. Em manter seu produto sempre disponível para o consumidor, na quantidade adequada e na hora certa. Nós somos a Neogrid. Uma empresa de soluções para a gestão automática da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management).

Compartilhar

Comente este artigo