perda de matéria-prima

Evite a perda de matéria-prima seguindo estas 7 dicas

Um dos pilares que sustentam o conceito de eficiência operacional na indústria certamente é a minimização da perda de matéria-prima. Isso porque, a necessidade de atuar de maneira rígida e estratégica, de forma que cada ativo, recurso e insumo sejam devidamente aproveitados, muito mais do que um diferencial competitivo, hoje se tornou uma verdadeira obrigatoriedade no mercado.

Você também ouvir esse conteúdo 🙂

Em conjunto com a questão da sustentabilidade, o uso racional dos insumos e matérias-primas no processo produtivo é um tema diretamente ligado à competitividade e à percepção de profissionalismo da empresa. Além disso, essa é uma questão que impacta de forma profunda os resultados do negócio, em termos de lucratividade e potencial de crescimento, já que caminha lado a lado com os custos.

Por essas e outras razões, gestores e líderes precisam dar atenção à perda de matéria-prima, adotando medidas preventivas para minimizar esse problema e garantir mais eficiência no processo produtivo.

Confira as 7 dicas para evitar a perda de matéria-prima

Para ajudar nesse processo, preparamos este conteúdo elencando 7 dicas para reduzir o desperdício na indústria. Acompanhe para conferir.

1. Avalie o processo produtivo

O passo inicial para se estabelecer processos mais eficientes e econômicos dentro da cadeia produtiva é avaliar como cada um deles é executado. O objetivo aqui é encontrar eventuais pontos de atenção, falhas e gargalos que eventualmente podem ocasionar o desperdício de materiais.

A correção dessas inconsistências já pode gerar impactos altamente positivos para indústria, isso de forma direta. Entre os pontos que precisam ser avaliados destacam-se:

  • manutenção de máquinas;
  • qualidade do maquinário;
  • nível de automação no processo de produção;
  • qualidade técnica e operacional dos profissionais envolvidos;
  • eficácia das metodologias empregadas;
  • volume de produção;
  • aderência entre a produção e a demanda do mercado, entre outros.

2. Controle a compra de matéria-prima para que ela não ultrapasse sua demanda

A manutenção de uma linha de produção é algo que depende diretamente da compra e disponibilização de insumos. Independentemente se o processo produtivo é manual ou automatizado, o seu fluxo contínuo exige a composição de um estoque de matéria-prima para abastecê-lo.

A questão é que a indústria nem sempre dimensiona esse estoque de forma precisa. Por essa razão, a compra de insumos pode ser feita de maneira desajustada, ultrapassando o nível de demanda. Nesse cenário, é comum haver desperdícios, além da imobilização de capital — situações igualmente prejudiciais.

É justamente por isso que é preciso operar em conjunto com o varejo. Ter visibilidade sobre a demanda disparada pelo consumidor nos PDVs é primordial para que a indústria ajuste a sua produção, atendendo à demanda precisamente. Assim, essa visibilidade é também o que permite que a compra de matéria-prima seja realizada de acordo com a demanda identificada.

3. Conte com uma ferramenta de gestão

O desajuste na produção é uma das principais causas de perda de matéria-prima na indústria. Tanto o excesso na produção quanto o seu subdimensionamento são ocorrências negativas do ponto de vista operacional. Na prática, quando se produz em excesso e não há vazão dessa produção, a empresa acaba tendo que gastar mais com o armazenamento, além de investir na fabricação de itens que demorarão girar e retornar com os investimentos ao caixa.

Por outro lado, quando a produção é subdimensionada, há sempre o risco de rupturas nos contratos de fornecimento com o varejo, por exemplo, além do desperdício de capacidade produtiva, ao utilizar o maquinário e toda a infraestrutura sempre abaixo do seu limite.

Nesse cenário, uma das alternativas viáveis para a indústria é investir em ferramentas de gestão que proporcionem visibilidade sobre o mercado e suas demandas, para que seja possível agir de forma pontual e ágil, compatibilizando a produção às exatas necessidades do varejo e do próprio consumidor.

4. Acompanhe os resultados

Conhecer o processo produtivo e entender cada uma das suas etapas são passos importantes para a redução do desperdício na indústria. No entanto, existem outras ações igualmente relevantes, e uma delas é o acompanhamento dos resultados.

Na prática, é essencial que gestores e líderes tenham certeza de que os resultados obtidos estão convergindo com a estrutura e a qualidade operacional da empresa. Em outros termos, a identificação de resultados aquém do esperado pode indicar a existência de gargalos e outras falhas na produção — o que invariavelmente também pode significar desperdícios ao longo do processo produtivo.

Esse acompanhamento de resultados, no entanto, vai além das atividades da indústria. Na realidade, hoje se fala em sincronicidade da cadeia de suprimentos, reforçando a necessidade de se acompanhar os resultados dos outros elos da cadeia.

Nesse sentido, por exemplo, é muito importante que a indústria tenha conhecimento sobre o desempenho de vendas dos seus produtos no varejo. Dessa forma, é possível entender a dinâmica de consumo de cada um deles, o que é um passo elementar para se ajustar aos níveis de produção dos itens, focando sempre naqueles mais demandados.

Essa postura interfere diretamente na redução da perda de matéria-prima, pois a indústria pode produzir nos exatos níveis e perfis de demanda (produção puxada), evitando a compra de insumos além do necessário — o que pode aumentar a probabilidade de perdas.

5. Evite a perda de matéria-prima com a análise relatórios de produção

Há tempos os dados se tornaram o principal indicador a ser seguido pelos negócios. O tempo da tomada de decisões com base na intuição e no chamado “tino empresarial” foi superado e, hoje, gestores e líderes dependem muito de análises técnicas, estatísticas e dados para a solução de dilemas importantes.

Nesse sentido, a redução do desperdício de matéria-prima na indústria também precisa seguir pelo caminho do uso estratégico dos dados. A análise contínua da produção, a partir de indicadores de desempenho, comparações e projeções, é um grande exemplo de como é possível analisar não só a produtividade da linha de produção, mas o seu desempenho em termos de perda de materiais, falhas, gargalos e outras situações prejudiciais.

6. Alinhe as medidas com os funcionários

Os recursos humanos também têm um papel crucial no alcance da eficiência operacional na indústria. Não basta dispor de uma infraestrutura de ponta, equipamentos automatizados e alta tecnologia se todos esses diferenciais não convergirem com o nível técnico e com uma mentalidade de eficiência aplicada pelas equipes.

Dessa forma, a redução de perdas no processo produtivo também passa pela qualificação e orientação de todos os profissionais que atuam na produção. Nesse sentido, é importante que os colaboradores da empresa tenham conhecimento dos resultados, sejam eles positivos, sejam eles negativos. É fundamental que as equipes compreendam a necessidade de mudanças para alcançar melhores resultados.

No mais, é recomendado instruir os funcionários com boas práticas e uso correto dos equipamentos, tudo para minimizar erros e a perda de matéria-prima — em diferentes etapas da produção.

7. Invista na automatização da gestão de estoque para evitar a perda de matéria-prima

Quando se fala em perda de matéria-prima na indústria, o estoque é certamente uma das áreas que mais contribui para essa realidade. Entre os motivos causadores do problema, podem ser citados:

  • falhas na maneira como os itens são armazenados;
  • erros na composição do cronograma de compras;
  • ineficiência nas movimentações dentro de armazéns, gerando avarias em mercadorias;
  • gestão ineficiente dos materiais, o que abre margem para o perecimento de itens mais frágeis ou com um curto prazo de validade, entre outros.

Seja qual for o ponto originador da perda de matéria-prima, o fato é que uma boa gestão de estoque é capaz de reduzir significativamente esses problemas. Para isso, investir na automatização dessa gestão é um passo importante.

Hoje, softwares e sistemas especializados oferecem um suporte importante para a indústria. A partir de dados coletados das operações, uma solução de gestão de estoque é capaz de escalonar com precisão a reposição de insumos, mantendo a linha de produção sempre abastecida e na medida ideal, além de evitar excessos e faltas nos estoques.

Ainda, sistemas informatizados oferecem uma visibilidade estratégica para o setor comercial, que pode ajustar melhor os cronogramas de compras com fornecedores, negociando os itens certos no momento adequado — em conformidade com padrões de produção mais eficientes, como o just in time.

Por fim, alcançar e manter a eficiência operacional na indústria é, hoje, um dos principais objetivos compartilhados por gestores e líderes. O fato é que a sustentabilidade tem se tornado uma bandeira cada vez mais valiosa para os negócios, representando um diferencial competitivo fundamental frente ao consumidor e ao mercado.

Somado a isso, a redução de perda de matéria-prima é um ponto elementar para a estruturação de um processo produtivo eficiente, com custos competitivos e muito bem controlados.

Gostou deste conteúdo? Então aproveite para seguir lendo e se informe ainda mais sobre esse e outros temas relacionados à cadeia de suprimentos. Assine nossa newsletter e comece a receber todos os nossos melhores artigos em primeira mão!

Autor
Somos especialistas em sincronizar sua empresa à demanda. Em manter seu produto sempre disponível para o consumidor, na quantidade adequada e na hora certa. Nós somos a Neogrid. Uma empresa de soluções para a gestão automática da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management).
Comente este artigo