Gestão de produtos: um guia completo sobre o assunto

Não há uma receita ou fórmula mágica para o sucesso empresarial, mas algumas estratégias contribuem de maneira significativa para isso. A gestão de produtos está nesse rol de boas práticas que merecem a atenção dos gestores.

Indústria e varejo lidam diariamente com uma grande variedade de produtos. Seja qual for o seu ramo de atuação ou o porte de sua empresa, é provável que exista muitos itens a gerenciar.

Em um mercado repleto de concorrentes qualificados, é ainda mais difícil conquistar a preferência de um consumidor exigente e seletivo. Há vários caminhos possíveis, mas todos eles exigem uma seleção e gestão adequada dos produtos que serão colocados à venda.

Esse pode ser um grande desafio para a maioria dos gestores e, por isso, produzimos este artigo. A seguir você poderá tirar todas as suas dúvidas sobre o tema e aprender a realizar uma gestão de produtos eficiente. Acompanhe!

O que é gestão de produtos?

Para definir a gestão de produtos, é importante esclarecer o real conceito de produto. Afinal, ele é o centro da estratégia que será abordada neste post.  Assim sendo, podemos resumi-lo como o fruto de um processo de produção, ou ainda melhor, um item que foi fabricado para atender a uma necessidade de mercado.

Com essa definição, fica claro que um varejo trabalha com diversos produtos. Um supermercado, por exemplo, pode ter em seu estoque bebidas, alimentos perecíveis e produtos de limpeza.

A gestão de produtos é a responsável por alinhar a necessidade do cliente com as estratégias da empresa. Ou seja, como o negócio trabalhará os produtos disponíveis no estoque para conseguir boas vendas e satisfazer sua clientela.

Diversas ações são desenvolvidas dentro dessa metodologia, entre elas o planejamento do mix de produtos, orçamento e divulgação dos itens, com o objetivo de aumentar a receita e a participação de mercado da empresa.

Em outras palavras, a gestão de produtos é o processo pelo qual o gestor administra os itens disponíveis em seu estoque, avaliando as necessidades e demandas do cliente e garantindo uma reposição adequada — no tempo, quantidade e locais certos.

Qual a diferença entre marketing de produtos e gestão de produtos?

Há uma certa confusão entre o marketing de produtos e a gestão de produtos. Mas é importante deixar claro que esses processos são distintos.

A diferença central está  no objetivo das duas estratégias. O marketing de produtos está preocupado em apresentar uma mercadoria para o consumidor. Para isso, ele faz um estudo sobre a linguagem e o meio mais eficaz para atingi-lo, além de outros detalhes.

Por sua vez, a gestão de produtos foca em fornecer o produto adequado aos clientes da empresa. Para isso, é preciso conhecer bem suas demandas, o perfil do negócio e o mix de produtos disponível.

Obviamente, há diversos pontos que se comunicam — um dos motivos para que muitos gestores os confundam. Por isso, ainda que a abordagem seja diferente, o produto é o elemento chave das duas estratégias e o ideal é que elas sejam executados em conjunto.

O conhecimento do cliente e de como ele valoriza que a empresa se preocupe em apresentar soluções para seus problemas e necessidades são essenciais para o bom desenvolvimento da gestão de produtos e do marketing de produtos.

Imagine o quanto pode ser vantajoso para uma farmácia contar com uma gestão de produtos eficiente e, também, com uma publicidade produtiva dos produtos em estoque. Isso se tornaria ainda mais interessante durante promoções e datas comemorativas, não é mesmo?

Em resumo, o marketing de produtos é o responsável por divulgar o produto no mercado. Já a gestão de produtos é a responsável por organizar, planejar e administrar os itens para favorecer a quantidade e qualidade das vendas.

Como chegar ao produto ideal?

Escolher o produto ideal para vender é um desafio e tanto. Afinal, quando falamos em varejo, é preciso garantir uma experiência de compra agradável e entregar ao cliente tudo aquilo que ele precisa.

Em um primeiro momento, essa constatação pode assustar. Afinal, cada consumidor possui um conjunto diferente de preferências, necessidades e desejos.

Para superar o problema, muitos gestores apostam em um amplo catálogo de produtos. Infelizmente, essa não é uma boa tática e pode representar um alto gasto com um estoque inadequado ao seu público.

A boa notícia é que existem meios para chegar ao produto ideal e vamos compartilhar com você. Confira!

Entenda o perfil de seu cliente

A premissa é simples: não há como chegar ao produto ideal sem conhecer bem o seu cliente. Afinal, ele precisa encontrar exatamente o que precisa.

Todo o funcionamento de uma empresa deve ser pautado nas necessidades de seu público-alvo, pois é isso que garante boas vendas e assegura o giro dos produtos no estoque. Ou seja, a compra de novas mercadorias e o ritmo de reposição das prateleiras deve levar em consideração o perfil de compra da clientela.

Para compreender as pessoas que compram de sua empresa, é interessante observar seu comportamento, analisar dados e responder a algumas questões, como:

    • qual o perfil de meus clientes (idade, sexo, renda mensal)?
    • o que meu cliente precisa?
    • com qual frequência ele compra?
  • quais as marcas ele prefere?

Quanto mais informações você tiver sobre esse público, melhor será definição do mix de produtos. Esse tipo de conhecimento é cada vez mais essencial, visto que o comportamento do consumidor tem se alterado bastante nos últimos anos — uma tendência que deve permanecer.

Fique atento aos dados

Os dados são a moeda do século 21 e os gestores que entenderem essa realidade estarão um passo à frente de seus concorrentes.

Tomar decisões com base apenas em percepções e intuições não é uma escolha sábia. Dentro do contexto empresarial, não há muito espaço para “achismos” e quanto mais fundamentados forem os seus movimentos, melhores serão seus resultados.

Por isso, a definição do produto ideal deve ser precedida de uma boa análise de dados, como o volume de vendas de cada categoria e o aumento da demanda por determinado item — isso pode fornecer insights valiosos.

Para facilitar, é interessante contar com os dados sell-out — as vendas realizadas para o consumidor final. Em redes varejistas, as informações coletadas ajudam a direcionar a quantidade certa de cada produto para diferentes pontos de vendas.

Faça testes

Apesar de ser prudente investir em estratégias baseadas em dados, é sempre oportuno apostar em novidades. Todos os dias diversos produtos são lançados no mercado e o consumidor também valoriza a inovação.

A dúvida que fica é: como apostar nas tendências com segurança? Muitos gestores possuem o receio de investir na aquisição de produtos experimentais e não conseguir um bom volume de vendas.

Essa é uma preocupação importante, mas que pode ser superada com uma simples tática: os testes. Com essa ação, é possível adquirir um novo produto ou reformular o mix do negócio em fase experimental.

Durante os testes, é feita uma observação precisa da aceitação do público e, com isso, é possível chegar a uma conclusão com mais clareza. Se os resultados forem satisfatórios, é vantajoso investir nesse novo item.

Mude se for preciso

Mesmo com o apoio de dados e com o perfil dos seus consumidores, é possível que o desempenho de alguma mercadoria não seja como o esperado. Além disso, conforme mencionado, novos produtos chegam ao mercado com frequência.

Uma empresa de sucesso está sempre se adaptando ao mercado, por isso pode (e deve) mudar sempre que necessário.

Não há nenhum problema em retirar um produto do inventário. O erro está em mantê-lo mesmo depois de perceber que ele não atende às necessidades de seus clientes. Obviamente, isso só é possível de identificar com controle e visibilidade das vendas.

Vale destacar a questão da sazonalidade — que exige mudanças no estoque. Épocas como o Natal e a Páscoa, por exemplo, geram uma procura por produtos sazonais e a empresa deve ter a sensibilidade de garantir que o cliente os encontre sem dificuldades.

Como melhorar a gestão de produtos no varejo?

Com o avanço da tecnologia e a mudança de comportamento do consumidor brasileiro, o varejo enfrenta diversos desafios. A gestão de produtos pode ser apontada como uma de suas dificuldades, mas está longe de ser um obstáculo intransponível.

O comércio varejista já está acostumado e entende com clareza que suas atividades são regidas pela antiga — e ao mesmo tempo atual — lei da oferta e procura. Além de determinar o produto que estará nas prateleiras, é o consumidor que decide o sucesso ou fracasso de um negócio.

Por isso, a saída é planejar e realizar uma gestão de produtos eficiente e coerente com os anseios do seu público. Confira as dicas que preparamos para você!

Defina um bom mix de produtos

O primeiro passo para melhorar a gestão de produtos é a definição de um bom mix. Isso porque, quanto mais adequado e coerente for o nível do seu estoque, mais fácil será gerenciá-lo.

Escolher as categorias, as marcas e as variações de cada produto é essencial para garantir boas vendas. O mix deve ser o reflexo daquilo que seu público procura e pode se transformar em um diferencial competitivo de seu negócio.

Uma loja do segmento fashion feminino, por exemplo, que monta seu catálogo com roupas íntimas, vestidos, camisetas e calças tem grandes chances de atender ao seu público-alvo em diferentes momentos. Uma cliente pode estar em busca de um vestido de festa e outra de um vestido casual e essas questões devem ser avaliadas com atenção.  

Invista em gestão de categorias

O gerenciamento de categorias  é uma estratégia que se comunica com a gestão de produtos. Afinal, ela se preocupa em administrar as diferentes categorias que uma empresa trabalha. Um supermercado, por exemplo, pode ter em seu estoque:

    • bebidas;
    • congelados;
    • alimentos perecíveis;
    • higiene pessoal;
  • limpeza.

Dentro de cada categoria estão inseridos diferentes produtos de várias marcas. Com essa classificação, o gestor consegue planejar melhor a estratégia a ser aplicada em cada grupo e ampliar o desempenho do negócio.

No entanto, isso só é possível quando há uma boa comunicação e visibilidade no ponto de venda. Em outras palavras, é importante contar com dados reais e atualizados sobre o desempenho de cada categoria e dos produtos individualmente.

Essa metodologia é fundamental para o varejo, pois favorece a organização dos itens nas prateleiras. Quando um cliente vai até uma farmácia sabe que encontrará todos os itens de maquiagem em um determinado local e os medicamentos em outro. Ou seja, ela facilita que o cliente tenha acesso ao  que procura.

Mas isso não é tudo! A técnica também contribui para a redução da ruptura, uma vez que exige um conhecimento sobre as necessidades dos consumidores e ajuda a montar um estoque que os atenda com exatidão.

Aperfeiçoe sua gestão de compras

A gestão de compras é mais uma metodologia que favorece a administração dos produtos. Na verdade, elas possuem uma estreita ligação.

Pense bem: quando você faz compras coerentes, tem os produtos certos no estoque. Dessa maneira, administrar e disponibilizá-los com inteligência é uma tarefa mais simples. O resultado positivo é percebido nas vendas conquistadas.

A área de compras é essencial para o negócio, desempenhando um papel relevante no aumento de sua rentabilidade. Para torná-la ainda mais estratégica, algumas boas práticas fazem a diferença:

    • invista em treinamento da equipe de compras;
    • faça cotações com diferentes fornecedores;
    • esteja pronto para datas sazonais;
  • aposte em tecnologia na gestão de estoque.

Acompanhe os dados de vendas

Visibilidade é uma palavra que possui uma importância especial no contexto varejista. Quando o gestor tem em mãos informações reais e atualizadas sobre as vendas, a gestão de produtos se torna muito mais eficiente.

Esse tipo de dado traz muito mais do que números. Nas mãos de gestores inteligentes, pode ser transformar em poderosos insights e em oportunidades para melhorar os indicadores de desempenho.

Por esse motivo, é interessante utilizar recursos que ampliem sua visibilidade sobre as vendas de cada produto. Essa estratégia vale para negócios físicos e virtuais, sendo que esse acompanhamento é ainda mais relevante no e-commerce.

Tenha um bom relacionamento com fornecedores

A gestão de produtos envolve diversas atividades, inclusive a aproximação com fornecedores. Depois de definir o mix de produtos adequado, é imprescindível fazer cotações com várias empresas e evitar a dependência.

Muitas organizações erram nessa fase, pois não avaliam com atenção os produtos adquiridos e a capacidade e eficiência do parceiro. Isso pode representar um risco, já que o consumidor moderno é exigente e procura por itens de qualidade.

Em outras palavras, muito mais do que oferecer a mercadoria ideal, é necessário que ela seja de qualidade e tenha a confiança do cliente. Além disso, o fornecedor deve ter capacidade técnica e financeira para cumprir com o contrato e garantir a reposição do estoque nos prazos indicados.

Garantir uma comunicação e integração eficiente com o fornecedor (indústria e distribuidores) favorece a gestão de produtos e torna a cadeia de suprimentos mais produtiva, o que desencadeia a redução das rupturas e dos excessos de estoque.

Aposte na automatização

A última dica para tornar sua administração de produtos mais estratégica é investir em tecnologia. Os consumidores, já acostumados com a era digital, estão em busca de uma experiência de compra assertiva.

Isso significa  encontrar os itens certos, no local correto e na quantidade ideal. Ou seja, é preciso conhecer esse público e se esforçar para colocar à sua disposição exatamente o que ele precisa.

A tecnologia é uma das maneiras mais rápidas e seguras para coletar informações sobre o consumo e transformá-las em oportunidades. Sistemas de visibilidade no varejo garantem ao gestor acesso ao que realmente importa, melhorando seu planejamento e tomada de decisões.

Por isso, os varejistas precisam apostar nesses recursos tecnológicos, como soluções de planejamento e reposição de estoques, incorporando-os ao seu cotidiano e garantindo uma visualização totalmente nova do desempenho dos produtos nos pontos de vendas.

Gestão de produtos no e-commerce: como ampliar seus resultados?

O e-commerce cresce a todo vapor, atraindo a atenção de empresários e gestores que desejam alcançar e satisfazer as necessidades dessa nova geração de consumidores.

Os números não mentem! Uma recente pesquisa descobriu que 60% dos consumidores já prefere a internet na hora das compras, 14% dá preferência para a loja física e 26% é indiferente. As principais razões para o sucesso são:

    • a impressão de que os produtos são mais baratos;
    • variedade de produtos;
    • disponibilidade de informações;
    • possibilidade de personalizar a compra;
    • facilidade para escolher os itens;
  • melhores formas de pagamento.

Percebeu que a maioria desses benefícios está relacionada a uma boa gestão de produtos? Pois bem, essa estratégia ganha uma importância ainda maior no mercado online e pode ser um propulsor de suas vendas. Confira algumas boas práticas que fazem a diferença!

Alinhe o estoque físico ao virtual

Mesmo sendo uma questão óbvia, muitas empresas enfrentam dificuldades em alinhar o estoque físico ao virtual. Esse é um erro que pode ser fatal para suas vendas, afastando clientes e gerando uma experiência ruim com sua marca.

O ideal é que sempre exista estoque dos produtos anunciados. Escolher uma mercadoria e descobrir que ela não está disponível é uma situação desagradável e que, na maioria dos casos, leva o consumidor ao e-commerce da concorrência.

Assim sendo, invista em gestão de estoque e de produtos para ter a certeza de que as mercadorias armazenadas são suficientes para atender à demanda do mercado e satisfazer sua clientela em tempo e quantidade.

Garanta que a pesquisa de produtos seja eficiente

Você já pesquisou um item em uma loja virtual e o resultado da pesquisa não foi preciso? Essa é uma falha comum e que deve ser enfrentada com seriedade.

Quando você não investe na gestão de produtos no e-commerce corre o risco de enfrentar dois problemas durante a busca de itens: o resultado oferece o produto errado ou apresenta sugestões em excesso, fazendo com que o cliente fique sem paciência para encontrar o que precisa.

É importante categorizar e organizar os produtos para garantir que os resultados das pesquisas sejam mais inteligentes. Lembre-se de que essa rapidez e assertividade podem ser decisivas para a conclusão da venda.

Indique produtos complementares

Dentro do comércio eletrônico, a quantidade de itens por compra é um indicador importante sobre as vendas e uma boa gestão de produtos pode impulsionar esse dado.

Ao realizar uma análise de cesta e conhecer as preferências do cliente e os produtos à disposição no estoque, é possível apresentar sugestões de itens e pacotes que complementam o item pesquisado e contribuem para uma experiência ainda mais enriquecedora.

Essa simples estratégia pode elevar a receita do negócio e garantir que o cliente saia totalmente satisfeito. Mas, é claro, que isso só é possível quando há o apoio de um sistema eficaz e completo, capaz de armazenar, catalogar e gerenciar todos os seus produtos.

Entenda que a gestão de produtos tem uma função muito maior do que alertar o cliente sobre uma “casadinha”. Ela evita que produtos indisponíveis no estoque sejam adicionados no carrinho e atualiza os valores sempre que um novo item é adicionado, por exemplo.

Apresente as informações necessárias

Uma das vantagens do e-commerce é fornecer muitas informações sobre o produto que o cliente pretende adquirir. Por isso, a descrição dos itens deve ser completa e útil.

O anúncio de um celular, por exemplo, deve trazer dados sobre a câmera, o sistema operacional, capacidade de armazenamento, recursos e, se possível, uma breve apresentação. Quanto mais completa for essa exposição, mais segurança o consumidor terá para concluir a compra.

Na prática, você consegue reduzir o tempo necessário para a venda e ampliar o número de conversões. Ou seja, uma técnica simples, mas muito efetiva.

Manter as vendas aquecidas é um desafio para as empresas contemporâneas, principalmente porque o mercado está mais competitivo e o consumidor tem se tornado mais exigente e seletivo.

A gestão de produtos é uma metodologia imprescindível nesse novo cenário, pois permite que o negócio tenha total controle sobre as mercadorias em estoque e consiga organizá-las e gerenciá-las de modo a atender as demandas de sua clientela.

Lembre-se de que o segredo para o sucesso é conquistar um público feliz e satisfeito. Para isso, não há dúvidas de que é preciso investir na quantidade e qualidade das vendas, por meio de visibilidade e organização.

Sua empresa está com dificuldades para administrar seus produtos? Quer ter acesso a dados valiosos e organizar melhor a gestão do seu estoque? Entre em contato com a Neogrid e conheça as soluções desenvolvidas pensando nas suas necessidades!

Autor
Somos especialistas em sincronizar sua empresa à demanda. Em manter seu produto sempre disponível para o consumidor, na quantidade adequada e na hora certa. Nós somos a Neogrid. Uma empresa de soluções para a gestão automática da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management).
Compartilhar
Comente este artigo