O que fazer para evitar a “fuga” do consumidor?

José é daqueles clientes bem fiéis: vai sempre ao mesmo supermercado para comprar seus produtos de uso e consumo. Entre esses itens, está o sabão em pó que usa desde quando morava com os pais — uma recomendação da mãe, que é bem exigente com esse produto. Mas, na última sexta-feira, o item que sempre compra não estava na prateleira. E agora, José? Coube a ele escolher: selecionar outra marca (já que precisa lavar suas roupas) ou ir a outro estabelecimento (para encontrar o exato produto que deixa as roupas dele no jeito certo).

Deu para perceber que o varejo ou a indústria podem perder o cliente nessa situação, certo? Para evitar isso, os agentes da cadeia de suprimentos (supply chain) têm canalizado sua atenção em descobrir as causas e, principalmente, o que devem fazer para evitar a fuga de consumidores. Esse assunto já foi tratado aqui no blog no post Indicadores de visibilidade ajudam a ampliar as vendas do varejo.  A tecnologia especializada é a única maneira de obter esses dados consolidados, capazes de aumentar a visibilidade do varejo e, portanto, a competitividade de seu negócio.

A tecnologia certa para isso precisa dispor destas características essenciais:

  • Integração de informações: com uma solução robusta de Business Intelligence (BI), a ferramenta pode processar as informações vindas das mais variadas fontes (como de sistemas de gestão empresarial, e-mails e planilhas) com agilidade para suportar a tomada de decisão. Exemplo: se há uma queda de consumo de determinado item em uma única loja, a ferramenta é capaz de indicar o acontecido e ainda permite rastrear o motivo da diminuição;
  • Coleta de dados automatizada: ao receber informações diariamente, os agentes de cadeia de suprimentos (supply chain), varejo, distribuidor indústria podem avaliar os dados de forma consolidada. Isso facilita para acompanhar a performance comercial de cada um dos produtos em cada uma das lojas e adequar a distribuição, evitando oscilações entre falta e excesso de estoque;
  • Relatórios precisos para todos os níveis gerenciais: apresentar o total de vendas consolidado, vendas por rede e ruptura (para nível gerencial); informações diárias, como posição de estoque (nível tático); e relatório de vendas (nível operacional). Essas análises específicas favorecem a tomada de decisão para manter o estoque equalizado;
  • Infraestrutura completa para acesso da ferramenta via web: facilidade de implantação da solução sem grandes investimentos do cliente (servidores, equipe de manutenção etc.) e perda de tempo (desenvolvimento da tecnologia).

Na prática, um software com esses recursos pode fazer diagnósticos como este: ao avaliar 226 categorias de produtos em um varejo no Brasil, a solução NeoGrid Supply Chain R Powered by Nielsen indicou 3,14% de indisponibilidade de itens na gôndola. A tecnologia apontou que a principal causa dessa falta é que o item estava na loja (provavelmente no estoque), mas o promotor responsável não fez a reposição na prateleira.
Com esse dado em mãos, fica bem mais fácil pensar em soluções proativas, evitando a fuga de consumidores, a exemplo do José. Assim, da próxima vez que ele voltar ao supermercado, poderá encontrar a marca de sabão em pó favorita e voltar satisfeito em próximas oportunidades.

Quer saber mais sobre a solução? Entre em contato pelo e-mail marketing@neogrid.com e saiba como tornar sua empresa ainda mais competitiva!

Autor

A NeoGrid é uma empresa brasileira de soluções para a gestão de Supply Chain com clientes em mais de 30 países e escritórios na América Latina, América do Norte, Europa e Ásia. Em plataforma exclusiva e completa, as soluções NeoGrid sincronizam a cadeia de suprimentos, trazendo como resultado a redução de rupturas (faltas) e, ao mesmo tempo, a redução de estoques.

Compartilhar

Comente este artigo