SKU: o que é e como ele ajuda a cadeia de suprimentos?

O termo SKU é famoso dentro do universo da cadeia de suprimentos, mas muitos gestores ainda não o conhecem profundamente. Diante de sua relevância para o cotidiano de negócios que lidam com estoque e armazenamento, preparamos este post inteiramente dedicado a ele.

Uma cadeia de suprimentos integrada é essencial para os resultados da empresa e assegura que o cliente tenha suas demandas atendidas no tempo certo. Mas, para que isso seja possível, é preciso que a tecnologia entre em cena e otimize os processos entre as empresas.

O que é SKU?

SKU (Stock Keeping Unit), também conhecido como Unidade de Manutenção de Estoque, é um código que identifica um produto dentro do estoque. Ele é único e, por isso, permite a pesquisa e identificação exata de um item.

O código funciona como uma espécie de RG do produto, trazendo informações sobre localização e quantidade disponível. Por esse motivo, ele facilita a gestão e distribuição das mercadorias, sendo um método eficiente para catalogar e acompanhar, por exemplo, o giro de estoque.

Na prática, um pequeno supermercado que tem armazenado 10 caixas de leite, 5 fardos de refrigerante de cola e 5 fardos de guaraná, deve ter 3 SKUs ativos. Lembrando que se, por exemplo, as caixas de leites forem de marcas distintas, cada uma terá um SKU diferente.

Como o SKU é usado na gestão de estoque?

Organização é uma das premissas para que um negócio cresça de maneira saudável. Quando o assunto é estoque, o SKU é uma ferramenta essencial, pois simplifica a tarefa dos colaboradores de manter tudo em ordem.

O advento do varejo 4.0 exige dos players a oferta constante de novos produtos de uma maneira adequada e em um tempo cada vez menor. É nesse cenário que o SKU se destaca ainda mais, proporcionando mais visibilidade — essencial para evitar faltas e excessos nas prateleiras.

Indústrias e varejos sabem que sem um controle rígido do estoque é praticamente impossível gerenciar tantos produtos e dados. Mas o código é essencial para a comunicação entre os funcionários e para a localização das cargas, especialmente no e-commerce.

Em resumo, o uso da unidade de manutenção de estoque garante um maior controle sobre o estoque e evita erros graves, como a entrega de um produto errado ao cliente — o que afetaria sua reputação no mercado e geraria prejuízos.

Quais as diferenças entre SKU e código de barras?

É comum que o SKU seja confundido com o código de barras. No entanto, é preciso entender que eles não são a mesma coisa, especialmente porque o primeiro é bem mais completo.

A diferença básica entre os dois é que o SKU não precisa de um leitor para ser identificado — quando bem estruturado, é claro. Além disso, por meio dele, é possível identificar detalhes do produto com mais rapidez, como diferentes cores e tamanhos de um modelo de camisa.

Vale destacar que muitas empresas cometem a falha de utilizar o Stock Keeping Unit como código de barras e acabam enfrentando problemas. Já imaginou se um fornecedor o modifica sem o seu conhecimento? Isso geraria uma confusão e exigiria a atualização em todos os locais, como sites, loja física, catálogos e planilhas do sistema.

Como criar um código SKU?

Sua empresa ainda não utiliza o SKU na gestão de estoque? Então, agora, você aprenderá a criá-lo de uma maneira simples e rápida, trazendo mais organização e eficiência à toda a cadeia de suprimentos.

Em primeiro lugar, você precisa conhecer os componentes que não podem faltar nesse código. Eles são fundamentais para a correta identificação do produto e facilita o dia a dia colabores:

  • fabricante;
  • descrição do produto;
  • material;
  • tamanho;
  • cor;
  • embalagem;
  • dados sobre garantia.

Obviamente, a presença de todas essas informações não é obrigatória. Isso varia conforme a necessidade e o tipo de produto. Veja como ficaria o SKU de um uma camiseta de uma marca fictícia “Vix”, tamanho M, na cor azul:

MVIX – CAM1 – M – AZUL

Nesse caso MVIX se refere à marca(M) “Vix”; CAM1 ao modelo de camisa descrito como 1, M ao tamanho médio e azul à cor do produto.

Quais impactos positivos do SKU?

Para se destacar em um mercado tão competitivo, a empresa deve sempre levar em consideração a visão e as necessidades do consumidor. Afinal, ele não tem qualquer interesse em entender as ineficiências na gestão do estoque.

Seu cliente espera encontrar o produto desejado, quando e onde quiser. Se você não consegue atender a essa demanda, pode perder vendas e ter sua imagem afetada, já que nem sempre as pessoas estão dispostas a levar um produto no lugar de outro.

O SKU é o elemento que evita essas situações, pois facilita que o gestor visualize o nível do estoque de cada produto e identifique sua exata localização. Além disso, ele possui vantagens interessantes, como:

  • é único para cada empresa, o que evita inconsistência nos dados e torna a cadeia mais organizada;
  • é legível por humanos, tornando a identificação mais rápida e econômica;
  • facilita a manutenção e gestão do estoque;
  • é extensível e flexível, adaptando-se ao crescimento do negócio.

Como implementar o SKU?

Implementar o SKU é uma tarefa simples e, conforme visto, muito vantajosa. Caso você tenha interesse em organizar melhor seu estoque, essa estratégia, sem dúvida, o ajudará.

Em primeiro lugar, é preciso fazer um mapeamento de todos os produtos disponíveis e, também, os indisponíveis, mas que fazem parte do mix de produtos da empresa. Em seguida, você anotará as características que considera fundamentais para o código.

Depois que estiver com todos esses dados em mãos, basta criar um SKU para cada produto. Lembre-se de estruturá-lo de uma maneira compreensível, pois isso facilitará o trabalho do colaborador e tornará os processos mais ágeis e seguros. Confira mais algumas dicas:

  • utilize letras e números;
  • cuide para que o código tenha entre 4 e 15 caracteres;
  • aposte em siglas que remetam ao produto;
  • não use o código de barras do fabricante, já que ele pode ser alterado sem o seu conhecimento.

Conforme visto, o SKU é um código muito importante para o controle interno do estoque e proporciona mais organização e eficiência aos processos. Diante da necessidade de se investir cada dia mais na melhoria dos processos de armazenagem, essa é uma estratégia que pode fazer a diferença, facilitando, inclusive, a distribuição dos produtos.

Você já utiliza esse código em sua empresa? Está tendo dificuldade para implementá-lo ou deseja tirar alguma dúvida sobre o tema? Deixe um comentário abaixo! Teremos o prazer em ajudá-lo!

Autor
Somos especialistas em sincronizar sua empresa à demanda. Em manter seu produto sempre disponível para o consumidor, na quantidade adequada e na hora certa. Nós somos a Neogrid. Uma empresa de soluções para a gestão automática da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management).
Compartilhar
Comente este artigo