Visibilidade do varejo: como equilibrar estoques de acordo com a demanda do consumidor

Ninguém duvida que para se conquistar uma eficiente gestão de estoques deve-se ter uma sincronia perfeita entre indústria e varejo. Mas o “xis” da questão está exatamente em garantir que uma operação tão complexa como essa reduza a oscilação entre excesso e falta de produtos no ponto de venda (PDV). A visibilidade de indicadores do varejo, abordada no primeiro post desta série, é o caminho.

O primeiro passo para a gestão adequada de estoques é enxergar, com profundidade, as possíveis causas da ruptura (falta de produtos). Somente assim será possível estabelecer ações que possam contorná-la e aumentar a disponibilidade dos itens no varejo. As principais causas que resultam na falta de produtos são:

  • Gôndola desabastecida: o produto está no armazém do varejo mas houve falha por parte do repositor, o que resultou na falta do item na gôndola;
  • Execução de loja: pode ter havido falha no processo de compra ou, até mesmo, o pedido pode estar em trânsito (quando está na etapa de transporte entre os locais, por exemplo);
  • Estoque virtual: quando há o item no sistema do varejo mas o produto não consta fisicamente, muito provavelmente por ter havido furto dentro do estabelecimento ou consumo por parte do comprador, sem ser registrada baixa no sistema.

Outro passo importante para a gestão de estoques é evitar que o varejo acumule mercadorias e mantenha o capital imobilizado. Ao acompanhar o indicador de cobertura de estoque, por exemplo, é possível saber com base no histórico de vendas em quanto tempo o estoque deixará de atender a demanda dos consumidores. Dessa forma, é possível avaliar a real necessidade de novos pedidos.

Mas você pode se perguntar: como saber exatamente a disponibilidade de um item específico, com tantos estabelecimentos, produtos que preciso gerenciar? É aí que entra a tecnologia especializada em supply chain focada em visibilidade do varejo. Com ela, pode-se obter informações precisas para tomada de decisão estratégica a partir de três recursos imprescindíveis:

Relatórios operacionais para Gestão do Ponto de Venda: direciona a equipe comercial fornecendo Informações completas referente à performance dos produtos nos últimos 90 dias, bem como informações de estoque. Além disso, informa o status do item para loja e para o centro de distribuição (caso haja), se o item está ativo ou não e se existem pedidos colocados para estes itens, orientando para uma ação proativa que evita rupturas e estoques virtuais evitando a perda de vendas.

Relatórios OSA (On Shelf Availability): além de trazer o índice de disponibilidade dos itens nas prateleiras e as causas raízes da sua falta, os Relatórios OSA mostram também a venda estimada por produto, por loja e por dia, os efeitos da indisponibilidade de mercadoria sobre as vendas e as ações para corrigi-la. Por meio de análises como essa, é possível gerir melhor a cadeia de suprimentos, reduzindo de forma significativa as perdas. Servindo de grande apoio para as equipes de campo, os relatórios permitem estabelecer a colaboração entre indústria e varejo para melhorar o índice de disponibilidade dos produtos.

Business Intelligence (BI): por meio de uma interface visual intuitiva e flexível, é possível interpretar um grande volume de dados.  Muito utilizada pelas equipes de Trade e das Indústrias, o BI é uma poderosa ferramenta que traz inúmeras possibilidades para a livre criação de dashboards gerenciais e consultas, com objetivo de aprofundar a análise de desempenho dos negócios. Exemplos: acompanhar a performance de lançamento de novos produtos ou, ainda, identificar o melhor mix de produtos por região.

Contando com esses recursos, indústria e varejo ganham um forte aliado para a perfeita execução de abastecimento, evitando rupturas e reduzindo as chances de sofrer prejuízos decorrentes de gôndolas desabastecidas, assim como evitando excessos desnecessários de estoque. O terceiro post da série vai demonstrar como as empresas realizam essa operação na prática com a ajuda da tecnologia e da ferramenta Retail Insights. Não deixe de ler!

Autor

A NeoGrid é uma empresa brasileira de soluções para a gestão de Supply Chain com clientes em mais de 30 países e escritórios na América Latina, América do Norte, Europa e Ásia. Em plataforma exclusiva e completa, as soluções NeoGrid sincronizam a cadeia de suprimentos, trazendo como resultado a redução de rupturas (faltas) e, ao mesmo tempo, a redução de estoques.

Compartilhar

Comente este artigo